sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Caminhando com Amor

Amor é caminhar com o fluxo do tempo e entender que o que quer que tenha acontecido já aconteceu e é história, ficou no passado.

O que nos acompanha é o aprendizado e o que nos espera é a redenção através da melhoria de nossas práticas - Amor é parar de ficar preso ao problema e sermos solução.

Caminhando com o Amor, com a vida e com a verdade estamos sempre unos com o Todo, somos sempre um.

Na correta conduta que emana de nosso Ser quando em harmonia com o Todo,

A propriedade emergente do Amor

Amor é a força que forja a unidade coletiva que, através de sua propriedade emergente, potencializa nosso poder de beneficiamento.

Na unidade multifacetada do Todo,

Amor, alegria no espaço-tempo

O Amor eterniza as pessoas, cujas ações só as tangibilizam no espaço-tempo para alegria dos amigos e dos amados-amantes.

Conhecer-se para alegrar-se, alegrar-se por conhecer-se.

No conhecimento do infinito que habita cada um de nós,

Amor sem expectativas

No Amor não deve haver lutas, pois não se pode forçar alguém a amar - e não há nada a ser conquistado: o que é, será sempre.

O aprendizado é o de se entregar ao fluxo, de sentir e se doar sem esperar algo em troca, sem planos, sem metas, sem recompensas, sem medos, sem frustrações, sem ofensas; apenas fluindo no gozo da vida que é o aumento de potência por se amar incondicionalmente alguém - humano ou animal - e, através deste amor corporificado e individualizado, o coletivo da própria vida.

O outro é o suporte de prática do eu que forja o nós na ascese individual-coletiva rumo ao Todo.

Na entrega ao Todo de todas nossas vontades para que sejam um só, assim na Terra, como no Céu,

Amor, caminho da mente-coração

Como diria Goethe, "o talento educa-se na calma, o caráter no tumulto da vida" e é nesta dança que se forja a ética pessoal no diálogo constante com a moral coletiva, cujo ritmo deve ser a compaixão, seguindo o compasso da sabedoria que emana da mente-coração, moldada de maneira não-dual pelos limites que dão forma ao corpo de sabedoria - o próprio e o coletivo.

Só há caminho para nossa evolução se dermos limites, estabelecendo nossas margens, pois até o coração se contrai para poder se expandir.

No pulsar não-dual entre limite e transgressão, alicerçado pela compaixão e guiado pela sabedoria,

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Amor, o caminho da sustentabilidade

Amor, caminho sustentável criado por cada um, compartilhado por todos.

No caminho hábil que nos une ao Todo,

No Amor a espera é contemplação

A dor da espera que se sente
é a luta do corpo com a mente:
entre o desejo de possuir
o objeto de felicidade
e a necessidade de sentir
se é tudo verdade.

Transmuta-se o tempo em aprendizado,
de si, do outro e na contemplação do Ser amado.

Na espera que sangra, mas cura, amadurece, dá frutos e combate o fast-food das emoções cada vez mais líquidas,

Amor, conforto no desconforto

Amor é a fé em meio à incerteza do que fazer, é a coragem de sentir em meio ao incerto, é ter a certeza de suas intenções na escuridão das suas emoções.

Amor é deixar o coração dar cor à ação em meio ao cinza cotidiano.

Na Luz do coração que brota de seus olhos e sorriso,

Amor - é por você mesmo!

Amor é quando o tempo comporta o espaço infinito da eternidade.

Na espera ativa que desenvolve o Ser na contemplação e ação correta, harmônica e equilibrada,

Amor, teoria e prática não-duais

Não basta amar, há de se comprovar na prática a sustentabilidade e viabilidade do Amor.

Na teoria que é pura prática e na prática da pura teoria,

Amor, a única certeza

Amor é a certeza de que não há tempo perdido, de que independente dos caminhos, o que importa é a felicidade sempre presente que reina no silêncio cúmplice de nós dois.

No sorriso e olhar que me encantam,

Amor por toda uma nova vida

Amor é conduzir o tempo para abrir espaço para o conhecimento de si e do outro.

Podemos potencializar nossa vivência tridimensional do tempo, espaço e conhecimento através da dimensão infinita do Amor eterno.

Na eterna sustentabilidade do auto-conhecimento que se doa com prazer ao infinito,

Amor, singelo Amor

Singelo é o Amor, o elo singular da corrente da vida.

Na melhor escolha possível das algemas que nos prendem à vida,

Amor ressucita-a-ação

Em busca da Luz das estrelas, encontrei o brilho de teu olhar: ofuscaste o soluço de meu coração e trouxeste paz às batidas da pulsão - da vida que se conforta nas curvas de seu sorriso, onde se perde minha reta razão e onde me reencontro no silêncio da comunhão com o sublime.

Na sublime e divina sensação que é voltar a viver no Amor,


A verdade do caminho do Amor

A razão conduz a emoção à pura Luz do Amor.

Só o Amor constrói o caminho ao Amor.

Na mente-coração, caminho do meio entre razão e emoção, alicerçado pela intuição,

Amor, sabedoria do corpo, tecnologia da alma

Amor é a sabedoria do corpo, tecnologia da alma que purifica o fogo da paixão e conduz a chama ao calor da relação.

Na sustentável união do Ser,

Nos tropeços do Amor

Agimos errantes
sempre na busca
de algo que vimos antes
em meio ao horizonte cego,
pelo ego que ofusca.

Evoluimos no tropeço
certos de cada momento ser um novo recomeço.

No pulsar da renova-ação,
não há necessidade de perdão,
apenas sincera abertura
para plena união
totalidade, talidade, ternura.

No alfa-ômega, o meio,

O verdadeiro Amor é perdão

Per-doar é doar-se por algo, é abrir mão de seu orgulho para ganhar algo de muito mais valor: o mergulho em uma relação - único espaço de construção de valor agregado e convergido pelo Amor.

Perdoar, a si e ao próximo, é divino.

O que não quer dizer que se precise aceitar manter algo, alguém ou uma situação - perdoar é simplesmente respirar e dar espaço para os elementos se acomodarem harmoniosamente na mandala da vida, sem interferência do ego.

Na liberdade última do Ser,

O Amor sabe quando

Quando os olhares preenchem o silêncio de pura Luz, emoldurada pelo sorriso do Ser amado,

quando a eternidade se faz presente no espaço comum a dois Seres,

quando isto acontece, sabe-se que se quer estar comprometido com alguém.

No acontecimento sublime,

sexta-feira, 19 de agosto de 2011